O relatório Focus foi divulgado após quatro semanas de hiato por conta da greve dos servidores e as projeções do mercado para a meta da inflação são alarmantes.

Alcançar a meta e depois dobrar a meta

Se o título da matéria pareceu confuso, fique tranquilo, você não é o único a pensar isso.

A questão é que foi mais ou menos o que aconteceu mesmo e não só o título da matéria é confuso, mas todo esse processo de definição de meta, projeção de índices, e as políticas monetárias do Banco Central acabam sendo uma confusão “danada”.

Em 2021, o alvo central da meta de inflação estabelecida pelo Banco Central – medida através do IPCA – era de 3,75%.

De acordo com o relatório Focus, emitido pelo BC nesta terça-feira (26/04), a projeção do mercado para o final de 2022 está em 7,65% pouco acima do dobro da meta de 2021.

O IPCA acumulado nos últimos 12 meses de março-março, está em 11,3%.

Meta da inflação vs inflação acumulada - dados do IBGE com IPCA nos últimos 12 meses até março em 11,3%
Fonte: IBGE

Infelizmente a última informação do IPCA que temos é de março e sabemos que abril teve um forte aumento inflacionário. Já o IGP-M, outro importante índice de aumento de preços do país e com dados mais atualizados, nos mostra que a inflação acumulada dos últimos 12 meses de abril-abril é de 14,77% – pouco menos do dobro da meta do mercado.

Saiba mais: Descubra de quanto é a inflação real da moeda brasileira; e como isso nos afeta

Relatório Focus 26 de abril de 2022

Veja mais informações sobre as projeções e a meta da inflação para este ano.

projeções e metas econômicas para os próximos anos. IPCA para 2022 em 7,65%, SELIC para 2022 em 13,25%, PIB para 2022 em 0,65% e Dólar para R$5,00.

Vale lembrar que já há 3 semanas o Banco Central vem falhando em entregar o relatório Focus ao mercado, devido à greve dos servidores que ameaçaram paralisar o Pix no final de março.

Apesar da não publicação do relatório, ele foi realizado e vemos mais uma grande confusão sobre as expectativas do mercado que mudaram drasticamente no decorrer de um mês, a cada nova semana de análise e notícias macro-econômicas.

Projeções para o IPCA:

Relatório de 1º de abril:

2022: projeção passou de 6,86% para 6,97%

Relatório de 8 de abril:

2022: projeção passou de 6,97% para 7,43%

Relatório de 15 de abril:

2022: projeção passou de 7,43% para 7,46%

Relatório de 22 de abril:

2022: projeção passou de 7,46% para 7,65%

Aumentando a projeção em quase 1 ponto percentual desde primeiro de abril até o atual.

Impacto nos mercados

Infelizmente nosso sistema financeiro ainda é totalmente centralizado no Banco Central, que exerce forte influência no mercado a partir de suas decisões arbitrárias e muitas vezes recheadas de objetivos puramente políticos.

O BC forçou uma alta estratosférica da SELIC para melhorar a aparência da situação econômica do país perante o mundo, criando uma oportunidade artificial de investimento que fez o dólar sair do patamar de R$5,00 e chegar até a faixa de R$4,60, em valores recordes não vistos desde março de 2020.

Com a SELIC em alta, investimentos de renda fixa se tornam interessantes, atraindo capital estrangeiro para financiar a dívida pública e também incentivar os investidores domésticos a diminuir suas posições em ativos de alto risco – como bolsa de valores ou criptomoedas.

O problema é que esta é uma medida de manipulação de mercado que traz consequências nefastas à economia, aumentando a inadimplência – que é a capacidade do brasileiro pagar suas dívidas, com um aumento tão agressivo dos juros.

Apesar de ter o potencial de minimizar os aumentos de preços (comumente chamados de inflação), os efeito de médio e longo prazo são bastante negativos e também pode causar prejuízo a investidores alocados em ativos que ficam menos atrativos graças à manipulação do Banco Central.

O Federal Reserve (Banco Central dos EUA) fez o mesmo na semana passada, alterando sua meta de inflação e aumentando a taxa de juros em 0,5%, que é uma aumento muito agressivo para o mercado norte-americano.

Saiba mais: Preço do BTC briga novamente na faixa dos $40 mil USD; o que esperar?

Criptomoedas e blockchain oferecem transparência de governança

Estas confusões de políticas monetárias centralizadas são facilmente resolvidas através da web 3.0, blockchain e criptomoedas, que conseguem oferecer transparência e previsibilidade para os investidores, com protocolos utilizando regras claras bem estabelecidas e obedecendo leis econômicas básicas em um livre mercado descentralizado.

Criptomoedas como Bitcoin (BTC) possuem um fornecimento circulante máximo pré-definido, com uma inflação programada e previsível através do halving.

Criptomoedas como a Nano (XNO), com um fornecimento máximo já totalmente distribuído e em circulação, possuem inflação zero.

Não existe o risco de dobrar a meta da inflação pela vontade de alguns poucos, às custas de muitos.

Para o mercado de Finanças Descentralizadas (DeFi) é possível ir além, da inflação, participando de uma economia com juros transparentes e não-arbitrários, definidos puramente pela lei de oferta e demanda através das pools de liquidez (LP).

O que achou do conteúdo? Compartilhe em suas redes sociais e siga o Cointimes para acompanhar esta crescente economia digital!

Instagram | Telegram | Twitter | Facebook

Assine o Cointimes Club para ter acesso a um conteúdo exclusivo e aprender tudo sobre nosso mercado.

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.