A principal empresa por trás do desenvolvimento da Lightning Network do Bitcoin, Lightning Labs, levantou cerca de R$ 325 milhões para “bitcoinizar” o dólar e tornar a rede capaz de movimentar trilhões de dólares anualmente, competindo com a Visa, por exemplo.

Enquanto o Bitcoin está conduzindo US$ 50 bilhões em volume diário, a rede pública só é capaz de lidar com algumas transações por segundo, em comparação com os 65.000 da Visa.

Desde 2016, a Lightning Labs vem trabalhando para solucionar esse problema desenvolvendo a Lightning Network, uma solução de segunda camada que funciona acima do blockchain do Bitcoin.

Lightning Network como segunda camada do Bitcoin
Representação da Lightning Network como segunda camada do Bitcoin.

Com o investimento, a Lightning Labs, com sede na Califórnia, planeja construir o Taro, um protocolo que abrirá a Lightning Network para outros ativos além do bitcoin (BTC), incluindo cripto-dólares/stablecoins.

“Isso é realmente significativo porque o potencial aqui é que todas as moedas do mundo encaminhem o Bitcoin pela Lightning Network”, disse Elizabeth Stark, CEO e cofundadora da Lightning Labs, à Forbes antes do anúncio.

Para realizar essa visão e garantir o crescimento adicional da empresa, a startup de pagamentos de Bitcoin levantou uma rodada de financiamento da Série B, liderada pela Valor Equity Partners e pela gestora global de ativos Baillie Gifford, ambos os primeiros apoiadores da Tesla e da SpaceX.

Entre outros investidores de alto nível estão o CEO da Robinhood, Vlad Tenev, o NYDIG e o CEO da Silvergate, Alan Lane. Isso segue uma Série A de US$ 10 milhões (~ R$ 46,4 milhões) em 2020, após um investimento ainda anterior do cofundador do Twitter e do Block, Jack Dorsey. Stark se recusou a divulgar o valuation pós-investimento da empresa.

Em 2018, a Lightning Labs lançou o que muitos viram como uma solução para a lentidão das transações de bitcoin – a Lightning Network. Originalmente descrita em um white paper pelos acadêmicos Joseph Poon e Thaddeus Dryja, a rede agora opera por meio de mais de 30.000 nós e permite transações de BTC baratas e rápidas, realizando pagamentos pequenos e frequentes fora da camada principal do Bitcoin.

Stark compara a rede com a Visa, um sistema global online que lida com pagamentos eletrônicos entre mais de 100 milhões de comerciantes e 15.000 instituições financeiras. Mas, ao contrário de sua contraparte, a LN depende da liquidez do bitcoin e qualquer pessoa pode executar um nó da Lightning.

Capacidade da Lightning
Capacidade na Lightning Network em BTC (em vermelho) e em dólares (em azul). Fonte: Bitcoin Visuals

O crescimento na capacidade da rede, ou a quantidade de bitcoin bloqueado em seus canais, vem aumentando expressivamente desde os primeiros meses da rede. Mais de 300 empresas e startups estão desenvolvendo a tecnologia de código aberto da Lightning Labs.

Na semana passada, a gigante exchange de criptomoedas Kraken se juntou à Lightning Network com seu próprio nó. No início de setembro, o Twitter adicionou suporte para recursos de pagamento baseados em bitcoin, incluindo carteiras com suporte à Lightning.

O primeiro passo no plano da Lightning Labs de transformar a rede em uma camada de vários ativos em cima do Bitcoin é adicionar stablecoins. Com o lançamento do novo protocolo, os desenvolvedores poderão emitir esses ativos (que estão atrelados a outros ativos, como o dólar americano) no blockchain do bitcoin e depois movê-los para o Lightning para velocidade e escalabilidade, explicou Stark.

De acordo com um comunicado fornecido à Forbes, “a Lightning Labs já está conversando com vários grandes players sobre a emissão de stablecoins e a construção de sua plataforma usando essa tecnologia”. A Stark se recusou a divulgar detalhes adicionais, mas compartilhou que o protocolo pode oferecer suporte para vários tipos de ativos, incluindo colecionáveis de jogos e NFTs (a Lightning Labs não está, porém, trabalhando ativamente nesses ativos).

O lançamento do Taro é o mais recente de uma série de esforços para desvendar o potencial do blockchain que deu início a todo o ecossistema de criptomoedas. Em fevereiro, Muneeb Ai, cofundador da Stacks, uma rede de contratos inteligentes ligada ao Bitcoin, levantou quase R$ 700 milhões para trazer aplicativos e ativos como NFTs que decolaram em cadeias como Ethereum e Solana para o Bitcoin.

O desenvolvimento de Taro, de acordo com Stark, foi facilitado pelo Taproot, uma atualização recente para bitcoin que introduziu uma série de melhorias para as transações de bitcoin.

Leia mais:

Compre Bitcoin na Coinext
Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br