Breaking News  
Chegou a vez do Brasil? Por que ficar otimista em 2019? Economia

Chegou a vez do Brasil? Por que ficar otimista em 2019?

Chegou a vez do Brasil? Por que deveríamos ficar otimistas em 2019? Veja os principais motivos que levam investidores a crer que a economia brasileira se sairá bem neste ano.

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

As bolsas internacionais mais relevantes ao redor de todo mundo estão caindo, enquanto a Bovespa está em alta. O S&P 500 fechou o 2018 no negativo, tendo o pior dezembro desde a crise de 29. Tudo indica que vem uma desaceleração da economia global e, talvez, até mesmo uma recessão.

Evolução no S&P 500 durante o ano de 2018. Note para a queda acentuada a partir setembro.

Você pode conferir os motivos aqui dessa queda aqui: O inverno está chegando. Não sabemos, contudo, se será apenas uma leve correção ou se ela assumirá a forma de um tsunami econômico. No entanto, diante desse cenário, o Brasil pode se beneficiar.

A economia brasileira esteve por 4 seguidos anos em uma das mais graves recessões econômicas de sua história. Talvez só tenhamos o mesmo padrão de vida que tivemos em 2011 daqui a 1 ano. O que vimos, entre 2014 e 2016, foi quase o colapso da economia brasileira com governo deficitário, alta inflação, uma taxa de juros elevadíssima e um governo paralisado incapaz de tomar alguma atitude para propor reformas.

Enquanto isso, as economias mais ricas e relevantes do mundo já estavam se recuperando da crise de 2008. As bolsas internacionais estavam subindo e o otimismo foi voltando para a Europa e Estados Unidos. Agora, parece que o jogo mudou, a tendência é que os 10 anos de seguida expansão econômica cheguem ao fim, podendo beneficiar o Brasil.

Por que o Brasil?

O banco central americano (FED) já subiu os juros da economia dos EUA no decorrer de 2018 e a tendência é que ele continue essa política em 2019. Com isso, as ações listadas nas bolsas americanas perderam força, o que indica migração para os Bonds Americanos ou outros investimentos mais conservadores como o Ouro, que vem tendo uma leve apreciação nos últimos dias.

Ainda tem a guerra comercial da China com os Estados Unidos, que você pode entendê-la em nosso texto: Um guia para a Guerra Comercial. Ou seja, está um verdadeiro cenário de confusão lá fora, o que faz os investidores estrangeiros e grandes fundos olharem para os países emergentes como o Brasil, que parece estar em um tempo diferente deles.

Uma pesquisa da Bloomberg, que entrevistou 30 pessoas entre elas: especialistas, gerentes de fundos, traders e estrategistas da Bloomberg, mostra que eles esperam que o Brasil lidere a expansão dos mercados dos países emergentes.

De acordo com a pesquisa, o Brasil está no topo entre todos os países que mais vão se favorecer desse cenário. Ações brasileiras, títulos de dívida e moeda deverão expandir em 2019 diante desse novo cenário. Ou seja, vem dinheiro estrangeiro por aí.

Bolsonaro com discurso pró-mercado

Se um cenário internacional desfavorável é ruim para as outras economias, o Brasil pode ser um alvo dos estrangeiros para investimentos especulativos, o que é excelente para a nossa conta corrente capital e financeira. O agora empossado presidente Jair Bolsonaro, reforçou em seu discurso, uma agenda teoricamente pró-mercado.

Isto significa que, seu governo na economia terá: responsabilidade com as contas públicas, controle de deficit do governo, manutenção da política de juros, privatizações de empresas públicas sem propósito ou ineficientes e reforma da previdência. Entenda por que a reforma da previdência é importante: Por que Bolsonaro e Paulo Guedes querem a reforma da previdência? Os investidores se sentem mais seguros com um governo que promete estabilidade econômica e jurídica.

Contudo, é preciso ter cautela e monitorar os próximos passos do governo de Bolsonaro, Paulo Guedes e sua equipe econômica. O discurso, ao menos, agrada, mas será preciso ver como se sairá na prática. Você pode entender melhor o que esperar do recém empossado presidente do Brasil em nosso post: Bolsonaro eleito, o que esperar? ou O que esperar da Economia com Bolsonaro e Paulo Guedes?

Enquanto isso, BOVESPA em alta, na máxima histórica

Um dia depois da posse de Bolsonaro, o Ibovespa, índice que contém as ações mais negociadas na Bovespa, fechou na sua alta histórica, que foi de 91 mil pontos, acumulando uma valorização de 3,56% em um único dia. Os investidores estão otimistas com o discurso reformista e responsável de Paulo Guedes.

Gráfico da Bovespa de 2018 até o dia de hoje.

Vale lembrar que a bolsa já havia alcançado a alta histórica no começo de dezembro, com seus 91242 pontos. Contudo, o recorde foi superado na segunda-feira (02/01) e o Ibovespa chegou a 91470 pontos. Mas o índice corrigiu até fechar o dia em 91012 pontos, que foi o maior patamar de fechamento da história.

Novamente, é preciso cautela para que não haja histeria seguida de uma euforia. A situação fiscal brasileira ainda não está resolvida. Contudo, há motivos para ficar otimista no longo prazo. E você? Acha que essa onda de otimismo dura muito ou que é apenas mais um vôo de galinha? Deixe sua opinião nos comentários.

Este tipo de conteúdo é relevante para você ou alguma pessoa que você conhece? Se for, siga e compartilhe a página do Cointimes e se mantenha sempre atualizado no mercado – FacebookTwitterInstagram.

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

Sou Lucas Bassotto, graduando em Economia. Um grande entusiasta do mundo da criptoeconomia. Atualmente trabalho na Foxbit produzindo conteúdo.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.