Fabio Araujo, coordenador do Banco Central, ainda não entendeu o Bitcoin e confunde a moeda auto-soberana com uma rede de pagamentos centralizada baseada no Real.

“Bitcoin não teve sucesso no Brasil” – Fabio Araujo

De acordo com uma pesquisa realizada pela Gemini, 41% dos brasileiros já adotaram as criptomoedas, sendo o Brasil um dos países líderes em adoção no mundo todo.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo BC, 60% dos brasileiros utilizam o Pix como forma de pagamento.

É baseado nesta segunda informação que o coordenador do Banco Central afirma que o bitcoin falhou ao ser utilizado como meio de pagamento e complementa dizendo que:

“Fica meio sem sentido pensar em cripto para fazer pagamento no Brasil. A gente tem um sistema de pagamento muito avançado, o Pix foi um fenômeno de adoção”.

Fabio Araujo - Coordenador do Banco Central

Saiba mais: Ameaça de greve do Banco Central e paralisação do pix nos mostra porque precisamos [urgente] de um dinheiro descentralizado

BTC e PIX são coisas diferentes

O problema é que Fábio Araújo demonstra não entender o real propósito pelo qual o bitcoin foi criado e o porque ele conseguiu crescer tanto nos últimos anos, começando a ser adotado por países como El Salvador em 2021.

Bitcoin e Pix são coisas diferentes, criadas por motivos diferentes e com objetivos diferentes.

Bitcoin é dinheiro peer-to-peer, auto-soberano, controlado por uma rede descentralizada. Resumindo, bitcoin é dinheiro forte, muito mais “comparável” ao Real (BRL), do que ao pix.

Pix é um sistema de pagamentos controlado pelo Banco Central, que precisa de intermediários para funcionar (os bancos), com custódia de terceiros e baseado em um dinheiro também centralizado.

Qualquer tentativa de comparação é inválida, porque, por mais que o pix seja uma forma mais efetiva de transferência de valores entre pessoas, o bitcoin tem outras características mais fortes que o torna especial.

Também é de conhecimento do mercado que a blockchain no Bitcoin não é a melhor opção dentre todas as criptomoedas para a realização de pagamentos recorrentes.

Existem outras criptos que unem algumas características fortes do BTC – como auto-soberania, descentralização, ausência de intermediários e segurança – ao mesmo tempo em que oferecem maior eficiência como meios de pagamentos, como a nano, que ainda é um projeto embrionário, com baixa adoção e reconhecimento pelo mercado, mas que reúne todas estas características positivas e algumas próprias.

Saiba mais: Vale a pena comprar Nano? 100 dias de análise fundamentalista

E existem criptomoedas como a Monero (XMR), cujo foco está em manter a privacidade de seus usuários e atingir o máximo de fungibilidade possível.

Adoção coercitiva não é adoção

Um outro ponto que vale ressaltar é que a comparação de adoção também é falaciosa, já que por adoção, normalmente se entende a aceitação de uso de forma voluntária.

Com exceção de El Salvador, que transformou o bitcoin em moeda de curso forçado, nenhum outro país obriga seus residentes a aceitarem o BTC como forma de pagamento. As pessoas são livres para aceitar ou recusar.

Sendo que na maioria destes países, o uso ainda é prejudicado por regulamentações e leis que visam dificultar a adoção, para que o Banco Central se livre da concorrência. Já que é o próprio 

BC que, normalmente, regula o setor. Garantindo seu monopólio sobre a moeda corrente.

Saiba mais: Lei arbitrária que atinge o mercado de criptomoedas em votação no Senado, entenda as propostas

Já o Real (BRL) é dinheiro de curso forçado e todas as empresas e indivíduos são obrigados por força de lei a aceitar um pagamento realizado com esta moeda nacional.

Os bancos foram obrigados a implementar o Pix em seus sistemas e oferecerem o serviço aos seus clientes. Obrigação que partiu, também, do Banco Central, cujo coordenador hoje se “gaba” da conquista de 60% de uso.

Estes 60%, diferente do que o Fábio Araújo parece acreditar, é um número extremamente negativo, pois mostra que 40% das pessoas no país hoje não possuem acesso ao sistema bancário e são excluídas da sociedade por este motivo.

O Bitcoin (BTC) e moedas como a XNO, visam solucionar exatamente esse problema, permitindo que estas pessoas excluídas do sistema cartelizado de uma moeda central e de pagamentos por meio de intermediários (bancos), possam guardar seu próprio dinheiro de forma segura e transferir valores, não só no Brasil, mas ao redor do mundo inteiro.

Leia mais:

A NovaDAX está cheia de novidades!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil agora ZEROU as taxas para saque em real!

A NovaDAX também conta taxa zero para transações de Bitcoin e mais de 110 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.