A empresa G44 Brasil, que está no mercado desde 2017 atraindo investidores, já foi multada pela CVM por captação ilegal e agora é investigada pelas autoridades do Distrito Federal.

Posts recomendados:
++ Como vazadores de dados ganham milhões denunciando pirâmides
++ “Exterminador” anônimo ameaça piramideiros de morte
++ Por que existe tanto esquema de pirâmide no Brasil?
++ O que é uma pirâmide financeira ou ponzi? Não caia no golpe!

Segundo o Correio Braziliense, o crescimento rápido do negócio chamou a atenção do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) e da Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, à Ordem Tributária e a Fraudes da Polícia Civil do DF (Corf).

A empresa oferecia em seu site um pacote de investimentos em criptomoedas, mas que muitos desconfiavam que se tratava de um golpe. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) emitiu um alerta de que a empresa não tinha autorização para captação de clientes no território nacional, porém a G44 Brasil continuou atuando, e por isso foi multada.

Grupo G44 Brasil na BitConf

O diretor jurídico do Grupo G44 Brasil SA, que é composto pela INOEX Exchange, G44 Serviços e G44 Mineração, esteve no palco da BitConf Summer Edition, que ocorreu em Fortaleza no final do ano passado.

O diretor jurídico Watson Pacheco palestrou sobre o encerramento unilateral de contas de exchanges. No mesmo palco estavam propagandas das empresas suspeitas de fraudes Anubis Trade e Atlas Quantum, que posteriormente viraram uma só.

Empresa encerra atividades sem pagar aos clientes

De acordo com o Portal Livecoins, a empresa anunciou por email aos seus investidores que decidiu por encerrar as atividades devido a instabilidades técnicas, dificuldades operacionais, além de ataques cibernéticos e fake news.

A empresa pediu a paciência dos clientes por mais 90 dias para efetuar os pagamentos, mas alguns clientes estão duvidando. Na página da G44 Brasil no Reclame Aqui é possível ver várias pessoas preocupadas com os saques em atraso.

Uma das reclamações revelou que parte da equipe da G44 foi também parte da Kriptacoin, uma pirâmide financeira que a Polícia Civil derrubou há 2 anos atrás.