Segundo reportagem da Folha, a Casa da Moeda terá como um de seus conselheiros o economista Fernando Ulrich, conhecido por suas análises sobre Bitcoin e atual economista-chefe de uma corretora de criptomoedas.

A indicação foi feita por Salim Mattar, empresário e atualmente secretário da desestatização. O secretário está reformando a diretoria da estatal e já indicou o novo presidente, Eduardo Sampaio e também o atual presidente do conselho, André Berenguer.

Está nos planos de Mattar a privatização da Casa da Moeda, mas para fazer isso será necessário arrumar a casa, de forma que ela seja atrativa para a iniciativa privada. Para isso, nada melhor do que trazer o que há de mais novo em questão monetária, o Bitcoin, para uma instituição fundada em 1694 por Dom Pedro 2°.

Recentemente, falamos sobre a crise na Casa da Moeda que poderia, ironicamente, fechar por falta de dinheiro. A estatal passou por diversos escândalos nos últimos governos, incluindo investigações de corrupção.

Notas de Bitcoin na Casa da Moeda?

Notas de bitcoin cash

A Casa da Moeda, além de fabricar dinheiro (em papel e moeda) faz também medalhas para premiações especiais, selos diversos, distintivos para a CGU e documentos de identificação como os passaportes.

A gama de serviços da empresa é grande e serve basicamente para suprir o aparato estatal brasileiro.

Com a chega de Ulrich poderemos até imaginar a utilização de toda a expertise da estatal para fabricação de selos para hardwallets de bitcoin e até mesmo notas e moedas de bitcoin.

Isso mesmo, no mercado há diversas notas que contém bitcoin, inclusive você pode criar a sua agora mesmo – veja o tutorial. Algumas empresas como a Startup Gobal Notes, já fabricam notas para criptomoedas.

A grande questão é: quem confiaria seus bitcoins a uma empresa estatal? Talvez com a privatização essa fabricação se torne realidade.

De qualquer forma, essa notícia sinaliza a modernização da estatal e é positiva no sentido de sua privatização.